Fúria Ancestral - Capitulo - 11 - Parte 2 - A Fúria.

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Fúria Ancestral - Capitulo - 11 - Parte 2 - A Fúria.

Mensagem por Tulyan em Qui Jan 22 2015, 13:56

Ultrapassar o portal foi fácil, mas agora Fierce e Reizer teriam um caminho turbulento pela frente, pois estavam numa cidade humana situada em território keidran, a Cavaleira passou ambos os braços pelos ombros de seus novos amigos sorrindo.


- Então vamos nessa. – ela tomou sua forma humana e começou a caminhar com eles sem pressa. – Vocês não precisam ter medo de mim, eu estou acostumada já, os outros têm certo rancor por mortais, nada preocupante demais, só de espaço e tempo a eles.


     Ela começou a usá-los como apoio para se erguer no ar e evitar os buracos da estrada com frequência, a sua volta uma floresta de taiga que os cercavam, o clima frio rondava as árvores que pareciam ter olhos e mover-se por conta própria, o Sol se punha longe no horizonte suave em seus tons amarelos e laranjas.


- O que estamos procurando? – Reizer disse olhando ao redor com cautela. – É uma arma não é?


- Aham! Eu não sei o que é exatamente, mas quem vai usá-la vai ser você Fierce. – ela tocou em sua orelha esquerda e a puxou de leve. – Que fofinho, eu adoro keidrans, vocês são adoráveis, pena que vivem pouco.


     A mulher parou rapidamente olhou de canto algo na mata e sorriu, ela agachou-se para pegar uma rosa branca que crescia na base de um tronco largo de um Álamo frondoso, ela o cheirou delicadamente, e o colocou entre seus cabelos vermelhos que balançavam a brisa suave da tarde, e assim os três andaram sem parar por quase um quilômetro na estrada de terra escura e úmida. Algo vinha pela frente, luminoso e veloz, com pessoas gritando e chicoteando algo, e quando viram uma dezena de carroças e carruagens humanas se aproximando os keidrans logo correram para o mesmo lado da mata e entre os galhos das árvores eles se esconderam, mas a mulher ficou de lado enquanto aquilo se aproximava rápido e por reflexo o cocheiro da primeira carruagem puxou as rédeas desacelerando, e á poucos centímetros de atropelar a Cavaleira ele finalmente parou, ela puxou uma lâmina que se escondia dentro de sua manga vermelha e fez um grande corte em seu braço esquerdo em segredo.


- Moça, você está bem? – um homem mediano de olhos verdes e cabelos negros a olhava preocupado. – Tem muitos keidrans por aqui, uma emboscada é fácil de acontecer, venha, vou te levar á cidade. – ele a ajudou a subir e não pode deixar de notar sua beleza sobrenatural.


- Keidrans, me atacaram, eu consegui fugir, mas não sei se meus amigos tiveram a mesma sorte. – ela pôs sua cabeça no ombro do cocheiro que balançou as rédeas fazendo os cavalos continuarem a corrida. – Muito obrigado, eu me chamo Lucy e você?


- Meu nome é Thery Whillian, senhorita? – ela desmaiou ao seu lado e sem pensar duas vezes ele puxou um cobertor azul de uma arca logo atrás deles e a cobriu, passou seu braço esquerdo por ela para mantê-la firme.


     Os dois lobos se olharam preocupados enquanto a longa caravana passava por eles e sumia estrada a fora levando sua luz e deixando a escuridão tomar conta, mas algo iluminou-se abaixo da árvore, era a Cavaleira numa forma fantasmagórica que ardia num fogo branco pouco azulado e flutuava no ar.


- Não tenham medo, é só um meio de me comunicar com meu corpo a distância, só isso. – ela observou seus amigos descendo da árvore sem pressa. – Eu vou vasculhar a cidade a procura da Arma Ancestral, vocês procuram-na pelas redondezas. – ela olhou algo atrás deles e sorriu. – Vocês já tem companhia, então de manhã eu vou atrás de vocês com ou sem a arma certo?


     Vislumbrar sua forma desaparecer numa brisa rápida foi a ultima desculpa para não olhar para trás, e ao fazerem olhos brilhantes como ouro estavam espalhados pelas árvores longínquas e arbustos densos. E de lá muitos lobos brancos saíram desconfiados do que viram.


- Quem são vocês? O que era aquilo falando com vocês? – um tigre albino vinha com uma espada curva e um colar de presas no pescoço.


- Eu sou Fierce e este é Reizer, não queremos problemas só procuramos uma amiga ela foi levada para a cidade humana, e aquilo que viram foi vestígio do teleporte que usamos só isso. – o lobo se próximo com cautela e cheirou o ar.


- É bom ouvir isso, vocês podem ser uteis, Ah eu sou Staros. – ele parou enquanto um uivo ecoava pela floresta e um arrepio foi gerado. -Venham!


     Ele sinalizou para seus companheiros que pegaram a espada de Fierce, e sem saberem deixaram Reizer ainda armado, pois usa manoplas negras não tinham sinal aparente de perigo. Eles andaram mata adentro cercados por todos os lados, e quando chegaram numa clareira viram várias tendas e barracas largas distribuídas igualmente ao redor de algumas fogueiras crepitantes e mais keidrans se aprontando para algo, eles olhavam os dois curiosos com suas roupas estranhas, grandes animais estavam a assar sob o fogo ardente que quase não lançava fumaça sobre eles, os dois foram levados até a maior tenda do acampamento que ostentava seus desenhos vermelhos e um crânio de alguma besta enorme que estava presa a uma estaca e decorava a entrada, o lobo branco parou a frente deles e puxou o pano leve para que eles entrassem sem problemas.


- Mestre, achamos dois lobos na estrada que por pouco não são pegos por uma caravana humana. – o lobo da neve curvou-se a outro que saia, e empurrou-os para dentro, lá vários lobos e três raposas estava sentadas ao redor de uma longa fogueira que ia de uma ponta a outra da tenta de dez metros.


     Eles os olharam causando um desconforto razoável, e entre eles um grande lobo se levantou, ele tinha uma grande cicatriz no peito e um de deus olhos era cego, mas seu porte malhado e aparência firme não dava sinal de fraqueza e seu grande machado estava a descansar a sua direita.


- Muito bom quanto mais reforços melhor, estamos sem tempo para formalidades então serei direto, eu sou Remir líder desse esquadrão de ataque, e vocês acabaram de serem alistados para ele. – ele voltou a se sentar enquanto Staros os tiravam de lá.


- Mas espera, não viemos para isso, precisamos achar nossa amiga o quanto antes. – este comentário fez o lobo branco ficar com uma cara séria. – Desculpe se trouxe algum transtorno, não estou dizendo que não ligo para o que fazem aqui, só temos coisas mais urgentes a fazer.


     Ele parou perto de um aglomerado de tendas onde guerreiros se preparavam ou cochilavam, pensando muito Staros decidiu.


- Como sabem que ela não está aqui? – os dois se olharam sorrindo.


- Temos certeza de que ela não tá por aqui, por que ela foi levada pela caravana humana. – abruptamente o keidran ficou furioso, tanto que chutou um tipo de recipiente metálico que voou longe.


- Esses malditos canalhas, é mais um motivo para se juntar a nós, estamos indo para um forte perto de Ditteridge agora, vamos ataca-los hoje mesmo, não somos muitos, porém aquela fortaleza não recebe suprimentos ou soldados á algum tempo. – ele entrou em sua tenda e foi vestir sua armadura. - Ela deve estar por lá.


- Bem, se insiste tanto tudo bem, mas eu quero minha espada de volta. – Fierce reclamou enquanto Staros saia da tenda com sua armadura de aço muito bem polida e o elmo debaixo do braço.


- É claro, pega-la foi apenas motivo de segurança nada mais. – ele assoviou e um lobo negro jogou a espada de Fierce de longe, e esta caiu a sua frente. – E você, quer uma arma?


- Ah, não obrigado eu já tenho. – Reizer mostrou-lhe as manoplas negras. – São mais poderosas do que imagina eu te garanto.


     Um som grave de trombeta soou e todos ficaram alerta enquanto seu líder vinha confiante, ele empunhava seu grande machado com facilidade, e sem perder tempo começou a marchar pela mata acompanhado de seus guerreiros que se reuniam atrás dele, o silêncio precisava ser absoluto, pois humanos poderiam estar em qualquer lugar até mesmo entre eles, os dois guardiões foram atrás das quatro fileiras de tropas bem armadas e com coragem de sobra e se puseram em duas fileiras nas estradas e duas mais a frente a fim de cercar a cidade fortificada, ambos ficaram apreensivos com o que encontrariam ao chegar lá e ao fazerem se depararam com um muro alto de pedra e madeira muito bem construídos, estava um pouco quieto demais pois as duas tropas adiantadas já deveriam estar lutando por aqui.


     Um silêncio torturante estava a reinar, e um barulho na floresta fizeram todos se viram rapidamente empunhando suas armas e escudos, e para sua felicidade era apenas seus companheiros um pouco atrasados por sinal, e entre eles o Líder saiu com o machado cheio de sangue.


- Eles mandaram batedores, pena que eles não vão voltar. – ele observou todos em silêncio. – Vão ficar parados? Ataquem logo! – Remir observava seus soldados tentando derrubar o muro com toda força.


     Nossos amigos ficaram sem saber o que fariam então olhar alguns lobos subirem o muro com facilidade, tochas iluminavam o topo de cada muro e apenas alguns humanos estavam de prontidão, mas algo lá dentro aconteceu que lançou uma luz vermelha aos céus e parecia... Fogo...


     O portão se abriu e um exército templário correu enfurecido de lá, os keidrans se espantaram e recuaram, mas ver Remir correr para a batalha trouxe a coragem necessária, Reizer correu para a luta invocando suas lâminas e cortando membros se dó alguma, ele estava rápido, forte e ágil como nunca, a noite parecia lhe fortalecer, Fierce ficava tentando procurar seu amigo em meio ao caos e sangue, um templário grande e musculoso se apresentou com um grande machado ensanguentado em mãos.


- Olá lobinho você vai ser mais um dos onze que matei hoje! – ele levantou sua arma e o golpeou de lado, o keidran deu um salto lateral passando por cima da lâmina que o cortaria ao meio.


- Eu tenho certeza que não gordão. – ele pegou sua espada longa e a colocou a sua frente, corpos no chão e magias passavam sob suas cabeças a toda hora, eles correram se enfrentando, mas ao se chocarem o peso extra do humano o fez ganhar a troca arremessando seu inimigo para longe.


     Sem perder tempo ele saltou deixando a o machado armado logo acima dele, o golpe era imparável então rolar para o lado foi a maneira de escapar, aproveitando o impulso Fierce chutou seu rosto e usou a espada para abrir um corte em seu braço esquerdo, e num vacilo do templário em pegar sua arma o lobo saltou em suas costas e quando enterraria a espada em seu peito um cristal de gelo acertou suas costas e ele caiu de lá, o homem se recompôs, pegou seu machado com a mão direita e a girou em volta dele dando caminho para cortar as pernas de Fierce, mas uma explosão negra o lançou na multidão furiosa, Reizer vinha com os punhos emanando escuridão e om um sorriso no rosto.


- Eu aprendi a fazer isso olha. – ele abriu os dedos e uma esfera negra se condensava e crescia num movimento simples aquilo foi lançado tão rápido quanto uma flecha acertando um humano no meio deixando um buraco enorme. – É muito legal cara! – ele ajudava Fierce a se levantar. – Eu preciso testar mais. – Reizer começou a correr por entre os guerreiros matando um templário sempre que podia.


     Distraído o lobo não pode ver seu inimigo voltar e o segurar pelo pescoço, erguido do chão o keidran apenas podia vê-lo pegar seu machado, o homem começou o golpe e quanto o mataria Fierce pisou em seu peito e usou o apoio para se erguer longe na lâmina e trazer sua cauda junto, pisando em seu pescoço o lobo pode se soltar e ainda arranha-lo com as garras, tossindo sangue o humano cambaleou. Aproveitando a brecha pegar seu machado foi fácil, a arma dele era um pouco pesada demais, mas com aquela adrenalina gira-la ao seu redor não foi nada, ainda tentando bloquear o templário usou seu braço que ganhou um corte tão profundo que atravessou o osso, ele gritava alto e sem perder tempo Fierce ficou do seu lado.


- Agora você cai! – ele o golpeou no pescoço decapitando-o, ele sorriu feliz com a vitória e um olhar a sua volta pode ver que apensar de duramente eles estavam ganhando a batalha, por um momento ele pode esquecer do que fazia ali.


     A batalha acabou, e os keidran faziam uma fila com seus novos prisioneiros, contados em algumas dezenas apenas.
- Conseguimos!!! O forte é nosso!!! – Remir gritou junto a todos seus guerreiros sobreviventes. – Vitória!!!


     Staros vinha de algum lugar e abraçou seus mais novos amigos com força.


- Uma bela batalha eu diria, muito obrigado por emprestar suas espadas e Reizer, estou impressionado, mas enfim vamos buscar sua amiga de que tanto falam e... Podiam me apresentar á ela não acham? – eles sorriram, e foram para dentro do forte.


- Há uma coisa que precisa saber sobre ela. – ele foi interrompido por um dos tigres sendo lançado por uma janela de uma torre baixa. – Eita...
     A Cavaleira ainda estava em sua forma humana, suas roupas estavam um pouco rasgadas nas mangas e na gola, seus punhos cheios de sangue a deixavam temível.


- Como ousa me tocar? – ela se aproximou do tigre atordoado. – Seu safado! – ela pisou em sua virilha o fazendo gritar.


     Dois soldados apareceram e a seguraram, parecia que ela estava focada em manter seu disfarce o tempo que fosse.


- Essa mulher merece uma lição! – Staros tirava uma de suas luvas e ia rumo a ela, eles puxaram seu cabelo para trás a fim de deixa-la de queixo erguido.


- Não a machuque! Ela... É a ‘’amiga’’ que te falamos, foi mal ter te escondido isso, mas era preciso. – o lobo se virou com uma cara confusa.


- Uma humana? Vocês levaram alguma porrada na cabeça? – algo caia atrás dele e ao se virar dois lobos traziam um homem, o mesmo que deu carona a Cavaleira horas atrás. – Esse também é outro amiguinho?


     Fierce acenou com a cabeça que não o que fez o lobo branco sorrir, ele estalou o dedo chamando a atenção de um dos soldados e passou o indicador no pescoço, aquele keidran então pegou uma faca do bolso, degolou o humano sem dó e o jogou no chão. Seu sangue escorria pela terra enquanto a mulher o olhava de longe, ela girou dois keidrans de noventa quilos como se nada fossem e os arremessou para longe, ela correu até o humano agonizante e pôs sua mão em seu pescoço enquanto ela o via dormir para sempre.


- Você vai ficar bem, não se preocupe ta bom. – ela o deixou e se levantou enquanto soldados lobos e tigres a cercavam. - Fierce e Reizer... Corram! – ela gritou enquanto seus punhos se fechavam.


     Os dois a obedeceram e logo partiram para fora do forte o mais depressa possível, mas o número de guerreiros entrando impediram sua passagem, só restava a eles se esconder do perigo incerto. A Cavaleira viu o responsável pela morte de seu amigo em meio aos soldados que riam dela.


- Sério humana, você não vai nem sequer chegar perto sem morrer, sugiro que desista e morra logo. – um deles falou chamando a atenção.


- Se você acha que é páreo para mim. – ela o chamou com um gesto. – Que vem me pegar!


     Eles jogaram a ela uma espada na tentativa de deixar a batalha igual, mas ela simplesmente ignorou a lâmina que caiu a sua esquerda, a mulher correu rumo ao lobo cinza que a desafiara, ele iniciou os ataques tentando um golpe horizontal e outro vertical, ela apenas desviava e no momento certo conseguiu um chute em seu rosto seguido de um soco nas costas, sem perder tempo a Cavaleira o segurou pela pata esquerda, o girou e lançou-o para o alto, ao apontar sua mão para a espada que lhe foi entregue antes a lâmina veio a ela, apontada para cima perfurou o tórax do lobo que caiu exatamente sobre ela causando um impacto forte, a mulher jogou o corpo inerte para longe.


- Eu perdi meu fascínio por vocês, são apenas animais guiados pelo ódio. – ela apontou a mão para o chão e uma espada negra de quase um metro e oitenta de comprimento fora invocada de um vórtice negro que lançava pequenos relâmpagos vermelhos.


     Ela começou a correr na direção do exército e enquanto corria sua forma Apocalíptica estavam a sobrepor a humana, e num longo salto sua forma verdadeira se expôs, Reizer e Fierce se recusavam a ver o que acontecia, mas pela quantidade de gritos e estrondos que faziam a terra tremer eles sabiam o que estava a acontecer. Meia hora durou a carnificina e com medo os dois lobos estavam, algo foi arremessado para dentro da torre onde eles se abrigavam quebrando a parede fortificada, era Staros que incrivelmente ainda resistia a batalha.


- Fu... Fujam! – ele falou ofegante, e um tipo de chicote negro com lâminas afiadas nas pontas o segurou pelo quadril e o puxou para fora.


     Por pura curiosidade Reizer olhou para fora e incrivelmente corpos não haviam ali, apenas um tipo de cinzas que ainda queimavam e se misturavam a terra, e sem aviso aquele mesmo chicote o pegou pelo pescoço, levado para longe Fierce apenas pode olhar seu amigo ser puxado pela Cavaleira que ao reconhece-lo o arremessou de volta como se fosse um boneco.


- Cavaleira! Pare! Eles já receberam o que mereciam, não faça muitos pagarem pelo erro de poucos, por favor. – Fierce saiu de seu esconderijo no momento que ela iria matar o Líder com um belo soco no peito.


- Você está triste por seus amiguinhos? Talvez queira se juntar a eles! – ela apareceu do seu lado e o segurou pelo pescoço enquanto fazia o mesmo com Remir e batia-os contra a parede. – Eu JAMAIS perdoo! – ela viu o machado daquele templário de antes em suas costas e os soltaram. – É bom que saiba disso!


     Alguns poucos keidrans sobreviveram ao massacre, e alguns perderam braços ou pernas inteiras e sangravam sem parar, ela andava calma em meio às cinzas restantes dos mortos, seu chicote longo e negro ficou reto e encolheu-se para se formar a espada negra que invocara antes, ela o guardou nas costas e restaurou sua delicada forma humana. Ela havia virado o jogo, agora os humanos tinham seu forte de volta e os antes prisioneiros humanos se libertavam e voltavam agradecidos, gritando e cantando vitória.


- Vamos embora! – os dois lobos se aproximaram com medo. – Não me olhem assim, eu sou explosiva mesmo, é culpa da minha mãe! – ela segurou os dois pelas costas e desapareceu no ar ao som dos gritos de euforia dos humanos restantes.



   E os poucos keidrans que restaram apenas podiam olhar com ódio enquanto os soldados fechavam o portão e traziam-nos para dentro, Staros e Remir estavam tão desorientados que ainda não faziam ideia do que aconteceu... Mas sabiam lá no fundo, que apenas sentiram um pouco do poder de Fúria.

__________________________
O Imortal dá mais valor ao tempo do que o mortal, o mortal se preocupa com o tempo que passa até sua morte
e o Imortal, se preocupa com o tempo que passará,
Sendo Feliz...


Mas nada está ábdito de minhas garras... Nada...
avatar
Tulyan

Mensagens : 2251
Data de inscrição : 14/07/2014
Localização : Atrás de você...

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Fúria Ancestral - Capitulo - 11 - Parte 2 - A Fúria.

Mensagem por OtakuCraft em Qui Jan 22 2015, 15:46

Pare! Eu-eu não sou fofo! ¬¬'

E que dificuldade de matar o templário. '-'
Se fosse mesmo comigo eu teria fatiado ele, e fatiado, e fatiado...
Enfim, eu aguardo por mais. ^^

__________________________






Meu DA... passa lá. ;-;
avatar
OtakuCraft

Mensagens : 3459
Data de inscrição : 24/04/2014
Idade : 18
Localização : Tartarus

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Fúria Ancestral - Capitulo - 11 - Parte 2 - A Fúria.

Mensagem por Tulyan em Qui Jan 22 2015, 16:11

Fica bravinhu n q fica + fofo :3

__________________________
O Imortal dá mais valor ao tempo do que o mortal, o mortal se preocupa com o tempo que passa até sua morte
e o Imortal, se preocupa com o tempo que passará,
Sendo Feliz...


Mas nada está ábdito de minhas garras... Nada...
avatar
Tulyan

Mensagens : 2251
Data de inscrição : 14/07/2014
Localização : Atrás de você...

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Fúria Ancestral - Capitulo - 11 - Parte 2 - A Fúria.

Mensagem por OtakuCraft em Qui Jan 22 2015, 16:44

Eu j-já disse! Não estou bravo, eu não sou fofo, e... e eu vou chutar sua cara! ¬¬'

Achei que a Gi era a Oficial Fofura!.. ué, de onde vem essa ira? '-'

__________________________






Meu DA... passa lá. ;-;
avatar
OtakuCraft

Mensagens : 3459
Data de inscrição : 24/04/2014
Idade : 18
Localização : Tartarus

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Fúria Ancestral - Capitulo - 11 - Parte 2 - A Fúria.

Mensagem por Tulyan em Qui Jan 22 2015, 16:52

N sei mas é fofinhu...

Acho q a Gi agora tem um concorrente... :3

__________________________
O Imortal dá mais valor ao tempo do que o mortal, o mortal se preocupa com o tempo que passa até sua morte
e o Imortal, se preocupa com o tempo que passará,
Sendo Feliz...


Mas nada está ábdito de minhas garras... Nada...
avatar
Tulyan

Mensagens : 2251
Data de inscrição : 14/07/2014
Localização : Atrás de você...

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Fúria Ancestral - Capitulo - 11 - Parte 2 - A Fúria.

Mensagem por TFFalcon3 em Qui Jan 22 2015, 18:12

XD! tadin do cara! a furia tá que ta em! e ainda disse que não tinha rancor pelos mortas o.O

__________________________

Never Give Up:



Canção de meu personagem: (em andamento):





Atualização em andamento... 1... 2... 3... 1... 2... 3...
avatar
TFFalcon3

Mensagens : 4496
Data de inscrição : 13/02/2014
Idade : 16
Localização : Na minha casa ¶=

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Fúria Ancestral - Capitulo - 11 - Parte 2 - A Fúria.

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum